31

dez

Algumas lições

Nas semanas antes deste recesso de final de ano, quase todo o meu trabalho tinha a ver com um único curso acontecendo em dezembro. Não preciso dar detalhes porque trabalho = boring etc etc etc, mas no fim das contas aqueles 10 dias foram muito úteis para as minhas férias.

Pois é, férias. Finalmente. Bom, ainda não – só dia 19 de janeiro! – mas elas estão chegando e eu inventei uma viagem monstro que já me consumiu muitas horas. Honestamente? Estou vendo reservas e passeios desde setembro. E claro que pode dar tudo errado mesmo assim. O que leva à primeira lição do curso que eu não assisti.

1. Algumas coisas estão fora do seu controle. Get over it.

Isso deve ser parte de algum mantra de AA, mas é verdade. No primeiro dia de curso, aconteceu um blecaute. Eu poderia alimentar a eletricidade do auditório com o poder da mente? Não, não poderia. Então você faz o que dá pra fazer. Parece meio bagunçado, meio atropelado… e foi meio bagunçado, meio atropelado. Mas chega o último dia da coisa toda e você descobre que algumas pessoas não perceberam que a programação foi mudada ou o auditório foi outro. Nas sábias palavras de Doctor Who, “Do what I do – hold tight and pretend it’s a plan”.

2. Outdoors? Aí as coisas realmente podem sair do seu controle. Get over it, seriously.

Último coffee-break da semana e você acha que está fazendo uma coisa especial colocando sanduíche de metro. Fica a dica: não coloque cerejas espetadas no sanduíche se o café for ao ar livre. Horas depois, ainda tinha abelhas se abastecendo loucamente nas cerejas.

Bees! Run to the water!

E quer saber? Todo mundo continuou por lá, comendo. Como eu apontei para um dos gringos, I don’t know if they’re really brave or just really hungry.

3. Esteja preparada.

Ok, coisas saem do controle. Mas não se esqueça do repelente, do filtro solar, das havaianas…

4. Com um pouco de bad English e um pouco de portunhol, todos conseguem se entender.

Pode demorar um pouco pra pessoa do lado lembrar como se diz “sanguessuga” em inglês, a brasileira insistia em falar em espanhol com o americano e eu traduzi do inglês para o inglês (sim, eu fiz isso) quando tentei ajudar alguém a comprar um refrigerante, mas todos sobrevivemos.

5. Ah, a natureza. But there is such a thing as “too much nature”.

Bonito? Ok, bonito.

O caminho para Iporanga

E eu juro que entrei na caverna, fiz a trilha, sentei no mato e botei o pé na água da cachoeira. Mas eu também sou a pessoa que falou que não ia entrar na caverna “molhada” (como se a outra caverna fosse seca!), que odeia borboletas (odeio mesmo!) e que, sinceramente, não queria mais saber de sapos (quantos minutos eu preciso passar do lado desses tanques?).

6. Essas pessoas não te conhecem. Você pode falar que odeia borboletas e não se importar com o que elas pensam.

Auto-explicativo.

7. Em qualquer lugar do mundo alguém vai ouvir “Ai se eu te pego”.

Laugh it off.

8. Às vezes você faz coisas que não sabia que faria.

Ok, você colocou o pé nessa cachoeira que tem peixinhos. Você pode marcar esse passeio suspeito que você estava vendo pras suas férias.

9. Algumas viagens são longas mesmo.

Então tente dormir. Mas, importante: depois de muitas horas dentro do ônibus, você vai preferir adiar seu próximo embarque.

10. A natureza e a viagem ficam bem mais legais quando você está confortável.

Depois de três dias com montes de estranhos, duas noites dividindo quarto e banheiro e sete horas no ônibus, preciso comentar como meu humor melhorou ao entrar neste quarto?

<3

Sem exageros: eu quase chorei de felicidade (menção bônus a DW). Joguei a mala no chão, joguei a foto no twitpic e me joguei no banho menos apressado da semana. Fiz certo quando ignorei hostel e comprometi dinheiro com hotel!

11. Não dá tempo de ficar cansado.

Aí que a gente estava chegando finalmente de Iporanga depois de cavernas e cachoeiras e trilhas e bóia-cross e muito ônibus e uns gringos estavam planejando de sair à noite. Depois de uma semana pesada de curso, com várias noites na balada. Falei pra americana que não sabia como eles tinham ânimo para isso, e ela respondeu que era diferente porque eles só iam ficar aqueles dias no Brasil, então precisavam aproveitar.

12. Você nunca está #foreveralone se tiver wi-fi.

só um comentário

  1. Sheila disse:

    Me sinto um pouco responsável pelo item 12 hehehe =)

    Esse curso foi um bom test drive pra Austrália, onde você certamente não terá tempo de ficar cansada ;)

Deixe um comentário