20

ago

11/30

Não tem a ver com os trinta anos. Assim, tem a ver indiretamente. Foram várias coincidências que acabaram assim:

É aquela coisa do trabalho que fica para o final de semana. É aquele e-mail que você responde antes de jantar. É chegar finalmente as cinco da tarde e em vez de ficar feliz você pensar “MAS JÁ???”. E ainda analisar se não era melhor ficar mais um pouco (não, amiga, o fretado não vai ficar esperando).

Não tem a ver com os trinta anos, mas parece cada vez mais inevitável.

É passar o caminho todo para a casa lembrando de coisas que você não fez. E tentando decidir a ordem de prioridades pro dia seguinte, considerando o que você já estava planejando, o que você acaba de lembrar que esqueceu e aquilo que você ainda não sabe o que é, mas que vai aparecer de última hora na sua mesa.

Não tem a ver com os trinta anos, mas meu eu de 15 anos ficaria extremamente desapontada. (Não que meu eu de 15 anos seja referência pra qualquer coisa – aposto que meu eu de 15 anos teria curtido meu semi-emprego pra MTV de 2006!)

Pelo menos eu ainda consigo dormir bem. Ainda que não consiga dormir muito.

Deixe um comentário